Tratamento fisioterápico que leva ao equilíbrio do corpo

A fisioterapeuta Soraya Ruza define Reeducação Postural Global (RPG) como um método fisioterápico que trata as desarmonias do corpo humano levando em consideração nas necessidades individuais de cada paciente, já que cada organismo reage de maneira diferente às agressões sofridas, buscando a(as) causa(s) do problema abordando o corpo como um todo.

“É uma técnica que difere das tradicionais, pois faz uma abordagem global do corpo com o objetivo de alcançar um tratamento eficiente nos músculos e articulações”, acrescenta a profissional, que trabalha com RPG e outras técnicas de terapia manual não agressivas há 10 anos em Blumenau.

Segundo a especialista, a RPG é indicada para pessoas de todas as idades e para a maioria dos problemas que afetam os músculos e ossos: dores lombares, dorsais e cervicais; lesões de esforço repetitivo (LER/DORT); desvios da coluna, desvios dos pés e dos joelhos; cefaléias mecânicas; bursites; torcicolos e hérnias de disco. “É também uma poderosa ferramenta de prevenção dos processos degenerativos articulares. Aplicada em crianças e jovens, previne as conseqüências da má postura. A RPG é funcional e qualitativa”, complementa.

Entre os casos de sucesso do tratamento pela técnica da RPG, a fisioterapeuta relaciona desde pacientes de pré e pós-operatório, até jovens e adultos com problemas de postura, destacando: “Atendi uma pessoa que teve um aumento de quatro centímetros em sua estatura pelo alongamento conseguido. Claro que ela ficou muito satisfeita com isso”.

Os princípios de Souchard

Soraya lembra que na década de 40 a fisioterapeuta francesa Françoise Mézière iniciou os estudos e tratamentos globais que foram sendo aperfeiçoados desde então. “Um dos seus alunos, Phillippe Souchard, aperfeiçoou o conceito, elaborando a idéia de que a musculatura deveria ser alongada para voltar ao seu estado natural e que o corpo precisaria ser encarado em sua totalidade, criando a técnica de Reeducação Postural Global que é hoje reconhecida mundialmente”.

A postura possui muitas variáveis, ou seja, o sistema neurofisiológico, o músculo-esquelético, o psicológico, as deformidades congênitas e as adquiridas, explica a fisioterapeuta, advertindo: “Todas estas variáveis devem ser analisadas de forma global, buscando a(s) causa(s), e em uma individualidade, pois cada ser humano é único”.

Soraya ensina que, partindo do sintoma para chegar até a causa de uma dor ou problema no sistema músculo-esquelético, a RPG trata o indivíduo e não a doença, porque cada um de nós tem a sua própria resistência à agressão e sua própria maneira de reagir a ela, muitas vezes adotando padrões individuais para evitar uma dor ou um bloqueio.

“Por exemplo: a coluna vertebral tem curvas fisiológicas, mas curvas de mais ou de menos são um sinal de má postura. As vértebras cervicais sofrem quando o pescoço e os ombros estão tensos, podendo levar a cefaléias; as torácicas são as menos flexíveis porque precisam sustentar as costelas. Como se movem pouco, não causam tantas dores. As lombares sustentam todo o peso das costas. Um corpo curvado provoca dor e, pela repetição, pode levar a alterações degenerativas que se agravam com o tempo”.

Ela também lembra que a gravidade nos esmaga, e nossos músculos nos endireitam contra ela para nos manter em pé. “Porém se lembrarmos que quando estamos sentados o peso na coluna é o dobro do que quando estamos em pé, então o componente de achatamento se potencializa”, afirma a fisioterapeuta, alertando que por causa de uma coluna mal posicionada, podemos estar sujeitos a todo tipo de doenças, desde respiratórias, ortopédicas, neurológicas como hérnias de disco, labirintite e outras.

Soraya diz que a RPG traz uma solução com sua técnica: posturas ativas e simultâneas. “Progressivamente cada vez mais global, visando a remontar a conseqüência às causas do problema; a reencontrar uma boa morfologia e as funções que estão ligadas. É como se o corpo fosse um fio; temos que puxar nas duas pontas porque se puxarmos só em uma ponta a outra cede”, explica.

Souchard elaborou três princípios básicos da RPG, informa a especialista:

1- Só as posturas ativas em alongamento podem devolver aos músculos encurtados e dolorosos sua força, seu comprimento e sua flexibilidade.
2- A flexibilidade dos músculos da estática, que são responsáveis pela boa ou má sustentação do corpo, é primordial.
3- Só as posturas de estiramento progressivo cada vez mais globais permitem alongar todos os músculos encurtados, assim como reencontrar a retração de origem.

As indicações

A fisioterapeuta Soraya Ruza garante que a técnica de RPG é indicada para as mais diversas patologias clinicas, entre as quais:

• Ortopédicas – pés planos e cavos, joelho valgo, joelho varo, escoliose, hiperlordose, hipercifose, torcicolo, dor cervical, dor dorsal.
• Reumatológicas – artrose, bursite, tendinite.
• Neurológicas – cefaléias mecânicas, hérnias de disco e coadjuvante no tratamento da labirintite.
• Penumológicas – asma, bronquite.
• Odontológicas – algumas alterações da articulação têmporo-mandibular.
• Somáticas – estresse, distúrbios circulatórios e digestivos.
• Estética – melhora da postura.

“A interdisciplinaridade no diagnostico, no plano de tratamento e na sua execução é muito importante para a recuperação da saúde e bem-estar do paciente”, complementa Soraya.

Publicado na revista 14 da UNIMED Blumenau Nov/Dez 2004

Análise Postural e algumas correlações com a Odontologia

Tem-se constatado que grande número de pessoas apresenta problemas posturais causados por adoção de posturas inadequadas que culminam em lesões e dor. Por exemplo, cirurgiões dentistas e médicos, de uma maneira geral, podem apresentar problemas posturais originados na execução de seu trabalho devido à anteriorização e rotação da coluna vertebral mantidas por longos períodos. A posição das mãos em pinça e a elevação dos ombros podem provocar alterações ósteo-musculares (tendinites) nos membros superiores, além dos problemas decorrentes do fato de permanecerem sentados por períodos prolongados.

Para casos como estes, os tratamentos tradicionais de fisioterapia têm sido pouco eficazes, daí a necessidade de se adotar outras técnicas.

A função faz a anatomia e a postura possui muitas variáveis, ou seja, o sistema neuro-fisiológico, o músculo-esquelético, o psicológico, as deformidades congênitas e adquiridas. Todas essas variáveis devem ser analisadas de forma global, buscando a causa, e em uma individualidade, pois cada ser humano é único.

Na década de 40 iniciaram os tratamentos globais que foram sendo aperfeiçoados desde então, culminando no que hoje se conhece por Reeducação Postural Global (RPG), que é indicada na prevenção e tratamento de doenças músculo-esqueléticas e tem uma visão global do corpo do ponto de vista morfológico. Na década de 70, a fisioterapeuta e osteopata belga, Mme. Godelieve Denys-Struyf, elaborou e posteriormente aprimorou o método das Cadeias Osteoarticulares e Músculo-aponevróticas e as técnicas G. D. S.

Essas cadeias formam conjuntos psiconeuromusculares que se fazem e se desfazem ao sabor da expressão corporal, postural e gestual. Entretanto, pode ocorrer que tais conjuntos psiconeuromusculares, que se fazem e se desfazem, não se desfaçam.

Desvios e deformações em cadeia indicam expressões corporais que se fixaram. Indicam na maioria das vezes, nossas contradições, tensões decorrentes de nossas escolhas, de nossos comportamentos e são mensageiras que revelam nossos traumatismos, excessos, disfunções e desconfortos paulatinamente gravados em nossos tecidos.

Ambos os métodos, R.P.G. e G.D.S. correlacionam a postura do indivíduo em seus aspectos biomecânicos a questões psico-afetivas. O método G.D.S. propõe mais precisamente uma compreensão desses processos “psicocorporais” para uma gestão mais eficiente dos nossos modos de funcionamento, para um modo de usar melhor nossas articulações, para reduzir e até mesmo superar vários incômodos, disfunções e processos que conduzem a uma condição patológica, ao fechamento, a diminuição, ao desgaste e ao sofrimento.

Em outras palavras, no método G.D.S., a linguagem corporal e o comportamento estão associados ao sistema muscular que concretiza a mensagem que o corpo deseja exprimir.

Algumas correlações com a Odontologia:

O que o odontólogo pode observar em sua anamnese para buscar alterações posturais que possam afetar a eficácia de seu tratamento? As seguintes relações:

1. Relação malar-esternal
2. Relação crâniovertebral
3. Relação crâniomandibular

É relevante considerar que o hióide recebe forças tênsis que vem do crânio e da mandíbula: do crânio através do músculo digástrico posterior, e da mandíbula através do músculo digástrico anterior. Isso para falar apenas dos mais importantes, pois há todos os outros infra e suprahioídeos.

A partir de um traçado do ângulo Antero-inferior do corpo da vértebra C3 ao centro da sínfise mentoniana, obtêm-se o Triângulo Hióideo. O hióide deve estar localizado 5mm por debaixo dessa linha (podendo haver uma variação de 2mm a mais ou a menos). O hióide ascende e descende quando se mantém um equilíbrio de distância entre a mandíbula e a coluna cervical. Se o hióide ascende, falamos em triângulo hióideo negativo, que pode levar a uma protrusão lingual. Se ele descende e fica muito positivo, pode ocorrer ptose lingual (língua no assoalho da boca).

Outro traçado que pode ser considerado é o plano de Mc Gregor, que determina se o crânio está em posição normal, em rotação posterior ou anterior. A posição normal do crânio varia num ângulo for menor que 96 a 106 graus o crânio se encontra em rotação posterior e se for maior que 106 graus, em rotação anterior.

Estas observações devem ser correlacionadas com a postura do paciente, numa visão global e podem ser feitas através da telerradiografia crânio-cervical ou cefalometria crânio-vertebral.

Havendo alterações de ordem postural seria indicado encaminhar o paciente para avaliação fisioterápica especializada.

A interdisciplinaridade no diagnóstico, no plano e na execução do tratamento é muito importante para a recuperação da saúde e bem-estar do paciente.



TEXTO DA FIGURA Classifição sumária de 6 formas de equilíbrio natural em pé, de seis bases de expressão corporal, de comportamento e de utilização corporal que acionam 6 conjuntos musculares (cadeias) em relação a seis direções no espaço.

Observação:todas as tipologias podem didaticamente resultar de uma escolha ou de uma situação imposta ou suportada. Sendo uma escolha, o sujeito sente-se bem no próprio corpo, tem flexibilidade, porém se for por uma situação suportada, podem ocorrer os desgastes por rigidez ou dores articulares.

PM – tipo póstero medial ( ação/competição)
PA-AP – tipos postero anterior e/ou antero posterior – reativo; AP- Antero-posterior - emotivo; PA – Impulsivo
AM – Antero medial – afetivo
PL- Postero lateral - extrovertido
AL – Antero lateral – introvertido

Referências bibliográficas

DENYS-STRUYF, G. Cadeias musculares e articulares: o método G.D.S. São Paulo: Summus, 1995.
CAMPIGNION, P. Respir-Ações. São Paulo: Summus, 1998.
SOUCHARD, Ph.E. O stretching global ativo. São Paulo: Manole, 1996.
BIENFAIT, Marcel. Fisiologia da terapia manual. São Paulo: Summus, 1989.
GUÉRIN, F. Compreender o trabalho para transformá-lo a prática da ergonomia. São Paulo: Edgar Blücher ltda, 2001.
PLATZER, Werner. Atlas de Anatomia Humana. 3° Ed São Paulo: Atheneu, 1995.
CALAIS-GERMAIN, Blandine. Anatomia para o movimento. São Paulo: Manole, 1992.

Public ado no jornal da ABO de Blumenau - 03/ 2005